segunda-feira, 21 de maio de 2018

Ministério das Relações Exteriores



Nota nº 155
18 de maio de 2018

Concessão de agrément ao Embaixador do Brasil
no Reino da Bélgica

O governo brasileiro tem a satisfação de informar que o governo do Reino da Bélgica concedeu agrément a Haroldo de Macedo Ribeiro como embaixador extraordinário e plenipotenciário do Brasil naquele país. De acordo com a Constituição brasileira, essas designações ainda deverão ser submetidas à apreciação do Senado Federal.

Haroldo de Macedo Ribeiro ingressou no Serviço Exterior Brasileiro em 1992. Serviu na Missão do Brasil junto à Comunidade Europeia e nas delegações permanentes do Brasil junto à ALADI e ao Mercosul e junto à OMC e outras Organizações Econômicas em Genebra. No Brasil, foi assistente da Divisão do Mercado Comum do Sul, assessor do Departamento de Integração Latino-Americana, da Subsecretaria-Geral de Assuntos Econômicos e Tecnológicos, do Gabinete do secretário-geral das Relações Exteriores e do Gabinete do ministro de estado, além de subchefe da Coordenação-Geral de Contenciosos e coordenador do Departamento Econômico. Desde 2017 é chefe do Gabinete do secretário-geral das Relações Exteriores.


Oficina de bolinhas de sabão promete diversão para a criançada

Shopping preparou atividades no espaço Novo Batel Kids para comemorar a Semana Mundial do Brincar
De 20 a 28 de maio, acontece a edição 2018 da Semana Mundial do Brincar (SMB), com o tema “Brincar de Corpo e Alma”. Para comemorar, o Shopping Novo Batel preparou duas atividades totalmente gratuitas que prometem divertir a criançada.
No sábado (19 de maio), às 14 horas, no Espaço Novo Batel Kids, acontece a oficina “Bolinhas de sabão”; e no dia 26, a ação “Fábrica de Brinquedos”, ambas, sob a coordenação da arte-educadora Michelli Reblin Bach da Mamãe Retrô, em parceria com o Muralzinho de Ideias. 
As crianças vão aprender a fazer suportes divertidos e uma receita muito especial de mistura para bolhas de sabão. Na outra oficina, os pequenos terão à sua disposição materiais diversificados para que possam criar, de livre inspiração, seus próprios brinquedos. 
Sobre o Shopping Novo Batel - Considerado o mais tradicional de Curitiba e um dos primeiros shoppings da cidade, o Novo Batel está localizado em um empreendimento único que oferece variado mix de lojas, além de espaços dedicados a lazer e cultura, como o Cineplex Batel, que possui uma exclusiva programação de estreias. É um dos únicos shoppings de Curitiba a possuir espaços dedicados às artes cênicas, com três teatros: Fernanda Montenegro, João Luiz Fiani e Paulo Autran. O shopping está localizado na Alameda Dom Pedro II, 255 - www.shoppingnovobatel.com.br
APEP promove jantar para associados em comemoração ao Dia do Procurador


Durante evento que acontece no dia 26 de maio, na sede da entidade, será inaugurado o retrato da procuradora Cristina Leitão na Galeria de Presidentes da APEP
No sábado, dia 26 de maio, a APEP promove o tradicional jantar em comemoração ao Dia do Procurador do Estado do Paraná. O “Jantar Nordestino”, com comida e música típicas, acontece na sede da entidade, a partir das 20 horas.
Os associados interessados em participar do jantar por adesão devem fazer reservas até a próxima terça-feira, dia 22 de maio, na secretaria da APEP, pelo telefone (41) 3338-8083 ou e-mail secretaria@apep.org.br. Estão sendo liberados dois convites por associado e os interessados em adquirir mais convites devem verificar disponibilidade na secretaria da entidade. As vagas para o evento estão limitadas à capacidade da sede.
GALERIA: Durante o evento, será inaugurado o retrato da procuradora Cristina Leitão na Galeria de Presidentes da APEP. Ela presidiu a entidade na gestão 2014-2016, cumprindo mandato no período de dezembro de 2014 a novembro de 2016.
DATA: O Dia do Procurador do Estado do Paraná, instituído no Calendário Oficial do Estado por meio da Lei nº 16.140/2009, é comemorado em 29 de maio, data em que a Consultoria-Geral do Estado foi transformada em Procuradoria-Geral do Estado no ano de 1971. A data é uma justa homenagem aos profissionais que já trabalharam e aos que trabalham em defesa do patrimônio do povo paranaense.

Ministério das Relações Exteriores



Nota nº 156
18 de maio de 2018

Acidente aéreo em Cuba


O governo brasileiro tomou conhecimento, com consternação, da queda de aeronave civil ocorrida hoje, 18 de maio, em Havana, Cuba, que ocasionou a morte de mais de uma centena de pessoas, e apresenta suas sentidas condolências às famílias das vítimas e expressa solidariedade ao povo cubano.


A Embaixada do Brasil em Havana segue acompanhando a situação, em coordenação com as autoridades cubanas. Até o momento, não há notícias de brasileiros vitimados.
Ministério das Relações Exteriores


Nota nº 157
18 de maio de 2018


Comunicado do Grupo de Lima


Tradução não-oficial

Diante das recentes declarações do presidente da Venezuela, nas quais assinalou que em seu país não há crise migratória, os governos de Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia manifestam que:

A deterioração da situação econômica, social e humanitária na Venezuela tem provocado, nos últimos dois anos, um aumento massivo da migração venezuelana, impactando especialmente os países da região.

Ainda que a maioria dos migrantes venezuelanos se dirijam inicialmente aos países vizinhos, verificou-se também um aumento importante na migração de trânsito nesses países para chegar a outros destinos.

Os números oficiais mostram que, entre 2017 e 2018, migraram para a Argentina aproximadamente 82 mil venezuelanos; para o Brasil, aproximadamente 50 mil; para a Colômbia, 800 mil; para o Chile, mais de 160 mil; para a Guatemala, 15.650; para o México, 65.784; para o Panamá, 65.415; para o Paraguai, 2.893; e para o Peru, 298.559.

Esses números são consistentes com as estimativas realizadas pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e pela Organização Internacional para as Migrações (OIM), que assinalam, respectivamente, que entre 1,5 milhão e 1,6 milhão de venezuelanos teriam abandonado seu país até o fim de 2017.

Isso tem gerado uma série de desafios para os países receptores, em diferentes âmbitos, como o humanitário e sanitário, incluindo a desnutrição e o reaparecimento de doenças que já haviam sido erradicadas ou controladas. Do mesmo modo, a capacidade para prestar serviços básicos, como o acesso à educação e a proteção de crianças e adolescentes, entre outros, enfrenta sérios desafios.

Diante disso, os países do Grupo de Lima reiteramos nossa vontade e compromisso de prestar assistência e proteção aos venezuelanos, assim como apoio àqueles que permanecem naquele país, razão pela qual reiteramos energicamente a solicitação para que se estabeleçam mecanismos de acesso à ajuda humanitária, para atender a essa delicada situação.

Da mesma forma, fazemos um apelo à Venezuela para que estabeleça, com urgência, um sistema de intercâmbio de informações epidemiológicas com os países vizinhos, a fim de coordenar esforços para a contenção de doenças, sobretudo nas zonas de fronteira.


Comunicado del Grupo de Lima

Frente a las recientes declaraciones del Presidente de Venezuela, en las que señaló que en su país no hay crisis migratoria, los Gobiernos de Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colombia, Costa Rica, Guatemala, Guyana, Honduras, México, Panamá, Paraguay, Perú y Santa Lucía, manifiestan que:

El deterioro de la situación económica, social y humanitaria en Venezuela ha provocado en los últimos dos años un incremento masivo de la migración venezolana, impactando especialmente a los países de la región.

Aunque la mayoría de los migrantes venezolanos se dirigen inicialmente hacia los países vecinos, se ha visto también un incremento importante en la migración de tránsito en estos países para llegar a otros destinos.

Las cifras oficiales arrojan que entre 2017 y 2018 migraron aproximadamente a Argentina 82,000 venezolanos; a Brasil aproximadamente 50,000; a Colombia 800 mil venezolanos; a Chile más de 160,000; a Guatemala 15,650; a México 65,784; a Panamá 65,415; a Paraguay 2,893; y al Perú 298,559.

Estas cifras son consistentes con las estimaciones realizadas por el Alto Comisionado de Naciones Unidas para los Refugiados (ACNUR) y la Organización Internacional para las Migraciones (OIM), las cuales señalan, respectivamente, que entre 1,500,000 y 1,600,000 venezolanos habían abandonado su país para finales de 2017.

Esto ha generado una serie de retos para los países receptores en diferentes ámbitos como el humanitario y el de salud, incluyendo la desnutrición y la reaparición de enfermedades que se encontraban ya erradicadas o bajo control. Asimismo, las capacidades para brindar servicios básicos como el acceso a la educación y protección de la niñez, entre otros, enfrentan serios desafíos.

Por todo lo anterior, los países del Grupo de Lima reiteramos nuestra voluntad y compromiso para brindar asistencia y protección a los venezolanos, así como apoyo a quienes permanecen en ese país, por lo que reiteramos enérgicamente la solicitud para establecer mecanismos para el acceso de ayuda humanitaria para atender esta sensible situación.

Asimismo, hacemos un llamado a Venezuela para que establezca con urgencia un sistema para el intercambio de informaciones epidemiológicas con los países vecinos, para coordinar esfuerzos en la contención de enfermedades, sobre todo en las zonas de frontera.
Ministério das Relações Exteriores



Nota nº 158
21 de maio de 2018

Eleições na Venezuela


O Governo brasileiro lamenta profundamente que o governo venezuelano não tenha atendido aos repetidos chamados da comunidade internacional pela realização de eleições livres, justas, transparentes e democráticas. Nas condições em que ocorreu - com numerosos presos políticos, partidos e lideranças políticas inabilitados, sem observação internacional independente e em contexto de absoluta falta de separação entre os poderes - o pleito do dia 20 de maio careceu de legitimidade e credibilidade.

Assim, ao invés de favorecer a restauração da democracia na Venezuela, as eleições de ontem aprofundam a crise política no país, pois reforçam o caráter autoritário do regime, dificultam a necessária reconciliação nacional e contribuem para agravar a situação econômica, social e humanitária que aflige o povo venezuelano, com impactos negativos e significativos para toda a região, em particular os países vizinhos.


O Brasil continuará atuando, inclusive na Organização dos Estados Americanos, em favor do restabelecimento da institucionalidade democrática, do estado de direito e do respeito aos direitos humanos na Venezuela. Também seguirá empenhado em seus esforços de mitigar os efeitos da crise humanitária que vivem os venezuelanos e acolher, de acordo com a legislação nacional e nossas obrigações internacionais, os que ingressem em território brasileiro.
Ministério das Relações Exteriores


Nota nº 159
21 de maio de 2018

Declaração do Grupo de Lima

Tradução não-oficial

Os governos de Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia expressam o seguinte:

1. Não reconhecem a legitimidade do processo eleitoral que teve lugar na República Bolivariana da Venezuela, concluído em 20 de maio passado, por não estar em conformidade com os padrões internacionais de um processo democrático, livre, justo e transparente.

2. Concordam em reduzir o nível de suas relações diplomáticas com a Venezuela, razão pela qual chamarão para consultas os embaixadores em Caracas e convocarão os embaixadores da Venezuela para expressar nosso protesto.

3. Reiteram sua preocupação com o aprofundamento da crise política, econômica, social e humanitária que deteriorou a vida na Venezuela, o que se reflete na migração em massa de venezuelanos que chegam a nossos países em condições difíceis, na perda de instituições democráticas, do estado de direito e na falta de garantias e liberdades políticas dos cidadãos.

4. Decidem submeter, no marco do 48º período de sessões da Assembleia Geral da Organização dos Estados Americanos, uma nova resolução sobre a situação na Venezuela.

5. A fim de enfrentar a situação decorrente do aumento preocupante dos fluxos de venezuelanos que se vêem obrigados a sair de seu país, bem como em razão do impacto que essa situação acarreta sobre toda a região, decidem adotar as seguintes medidas:

i. Convocar uma reunião de alto nível com autoridades responsáveis por temas migratórios e de refúgio para trocar experiências e definir as diretrizes para uma resposta abrangente, incluindo questões de facilidades migratórias e documentos de identidade. A esse respeito, aceitam a oferta do Peru para sediar a reunião na primeira quinzena de junho.

ii. Considerar a possibilidade de efetuar contribuições financeiras às organizações internacionais competentes para fortalecer as capacidades institucionais dos países da região, especialmente os países vizinhos, para atender o fluxo migratório de venezuelanos.

6. Lamentam a grave situação humanitária na Venezuela e, tendo em conta as implicações para toda a região em matéria de saúde pública, decidem adotar as seguintes medidas:

i. Convocar uma reunião de alto nível com as autoridades responsáveis pelo setor da saúde para coordenar ações na área da saúde pública e fortalecer a cooperação para atender a emergência epidemiológica.

ii. Apoiar o fornecimento de medicamentos por instituições independentes e ações de vigilância epidemiológica na Venezuela e nos países vizinhos, particularmente diante do reaparecimento de doenças como o sarampo, a malária e a difteria.

7. Reiteram o parágrafo 4º da Declaração de Lima de 8 de agosto de 2017 e, com o objetivo de contribuir para preservar os poderes da Assembleia Nacional, concordam em adotar, desde que sua legislação e ordenamento internos assim o permitam, as seguintes medidas de caráter econômico e financeiro:

i. Solicitar às autoridades competentes de cada país que emitam e atualizem circulares ou boletins no âmbito nacional que transmitam ao setor financeiro e bancário o risco em que poderão incorrer caso realizem com o governo da Venezuela operações que não tenham o endosso da Assembleia Nacional, incluindo acordos de pagamento e créditos recíprocos para operações de comércio exterior – inclusive bens militares e de segurança.

ii. Coordenar ações para que as organizações financeiras internacionais e regionais procurem não conceder empréstimos ao governo da Venezuela, devido à inconstitucionalidade de contrair dívida sem o endosso da Assembleia Nacional, exceto quando o financiamento é utilizado em ações de ajuda humanitária, tendo em vista, previamente à sua concessão, os possíveis efeitos indesejáveis nas economias de terceiros países mais vulneráveis.

iii. Intensificar e ampliar, por meio dos mecanismos existentes, o intercâmbio de informações de inteligência financeira sobre as atividades de indivíduos e empresas venezuelanos que possam estar vinculados a atos de corrupção, lavagem de dinheiro ou outras condutas ilícitas passíveis de procedimentos judiciais para sancionar tais atividades criminosas, como congelamento de ativos e aplicação de restrições financeiras.

iv. No marco das normas internacionais estabelecidas pelo Grupo de Ação Financeira (GAFI) e dos mecanismos operacionais já existentes, insta-se a contar com uma análise de risco de lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo, e propõe-se, ainda, que os países sensibilizem o setor privado em suas jurisdições acerca das ameaças e riscos de lavagem de dinheiro e corrupção que identificarem na Venezuela e que afetem a região, o que ampliará a capacidade de prevenir ou detectar possíveis atos ilícitos com maior tempestividade.

v. Da mesma forma, solicita-se que as Unidades de Inteligência Financeira e as autoridades competentes de cada país emitam e atualizem guias, circulares ou boletins em nível nacional que alertem as instituições financeiras para a corrupção no setor público venezuelano e os métodos que os servidores públicos venezuelanos e suas redes podem estar usando para ocultar e transferir recursos provenientes de atos de corrupção.

8. O Grupo continuará a acompanhar o desenvolvimento da situação na Venezuela com o objetivo de adotar as medidas adicionais que se façam necessárias, de maneira individual ou coletiva, a favor do restabelecimento do Estado de Direito e da ordem democrática naquele país.


Declaración del Grupo de Lima

Los gobiernos de Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colombia, Costa Rica, Guatemala, Guyana, Honduras, México, Panamá, Paraguay, Perú y Santa Lucía, expresan lo siguiente:

1. No reconocen la legitimidad del proceso electoral desarrollado en la República Bolivariana de Venezuela que concluyó el pasado 20 de mayo, por no cumplir con los estándares internacionales de un proceso democrático, libre, justo y transparente.

2. Acuerdan reducir el nivel de sus relaciones diplomáticas con Venezuela, para lo cual llamarán a consultas a los embajadores en Caracas y convocar a los embajadores de Venezuela para expresar nuestra protesta.

3. Reiteran su preocupación por la profundización de la crisis política, económica, social y humanitaria que ha deteriorado la vida en Venezuela, que se ve reflejada en la migración masiva de venezolanos que llegan a nuestros países en difíciles condiciones y en la perdida de la instituciones democráticas, el estado de derecho y la falta de garantías y libertades políticas de los ciudadanos.

4. Deciden presentar en el marco del 48° periodo de sesiones de la Asamblea General de la Organización de Estados Americanos una nueva resolución sobre la situación en Venezuela.

5. A fin de atender la situación derivada por el preocupante incremento en los flujos de venezolanos que se ven obligados a abandonar su país y por el impacto que esta situación está teniendo en toda la región, deciden adoptar las siguientes medidas:

i. Convocar a una reunión de alto nivel con autoridades responsables del tema migratorio y de refugio para intercambiar experiencias y definir los lineamientos de una respuesta integral, incluyendo temas de facilidades migratorias y documentos de identidad. En ese sentido, aceptan el ofrecimiento de Perú de ser sede de dicha reunión la primera quincena de junio.

ii. Considerar la posibilidad de realizar contribuciones financieras a los organismos internacionales competentes para fortalecer las capacidades institucionales de los países en la región, especialmente los países vecinos, para atender el flujo migratorio de venezolanos.

6. Deploran la grave situación humanitaria en Venezuela y tomando en cuenta las implicaciones en materia de salud pública para toda la región deciden adoptar las siguientes medidas:

i. Convocar a una reunión de alto nivel con autoridades responsables del sector salud para coordinar acciones en materia de salud pública y fortalecer la cooperación para atender la emergencia epidemiológica.

ii. Apoyar el suministro de medicamentos por instituciones independientes y las acciones de vigilancia epidemiológica en Venezuela y en sus países vecinos, en particular frente a la reaparición de enfermedades como sarampión, paludismo y difteria.

7. Reiteran el párrafo 4 de la Declaración de Lima del 8 de agosto de 2017 y, con objeto de contribuir a preservar las atribuciones de la Asamblea Nacional, acuerdan adoptar, siempre que su legislación y normativa interna lo permitan, las siguientes medidas en el ámbito económico y financiero:

i. Solicitar a las autoridades competentes de cada país que emitan y actualicen circulares o boletines a nivel nacional que transmitan al sector financiero y bancario el riesgo en el que podrían incurrir si realizan operaciones con el gobierno de Venezuela que no cuenten con el aval de la Asamblea Nacional, incluyendo convenios de pagos y créditos recíprocos por operaciones de comercio exterior –incluido bienes militares y de seguridad.

ii. Coordinar acciones para que los organismos financieros internacionales y regionales procuren no otorgar préstamos al Gobierno de Venezuela, por la naturaleza inconstitucional de adquirir deuda sin el aval de su Asamblea Nacional, excepto cuando el financiamiento sea utilizado en acciones de ayuda humanitaria teniendo presente previo a su otorgamiento, los posibles efectos no deseados en economías de terceros países más vulnerables.

iii. Intensificar y ampliar el intercambio de información de inteligencia financiera, a través de los mecanismos existentes, sobre las actividades de individuos y empresas venezolanas que pudieran vincularse a actos de corrupción, lavado de dinero u otras conductas ilícitas que pudiera derivar en procedimientos judiciales que sancionen dichas actividades criminales, tales como en el congelamiento de activos y la aplicación de restricciones financieras.

iv. En el marco de los estándares internacionales fijados por el Grupo de Acción Financiera (GAFI) y de los mecanismos operacionales ya existentes, se insta a contar con un análisis de riesgo de lavado de activos y financiamiento al terrorismo, y se propone además que los países sensibilicen al sector privado en sus jurisdicciones, sobre las amenazas y riesgos de lavado de dinero y corrupción que han identificado en Venezuela y que afecten a la región, lo que ampliará la capacidad de prevenir o detectar posibles actos ilícitos con mayor oportunidad.

v. De igual forma, se solicita a las Unidades de Inteligencia Financiera y a las autoridades competentes de cada país, que emitan y actualicen guías, circulares o boletines a nivel nacional que alerten a las instituciones financieras sobre la corrupción en el sector público venezolano y los métodos que los servidores públicos venezolanos y sus redes pueden estar usando para esconder y transferir recursos procedentes de actos de corrupción.


8. El Grupo continuará dando seguimiento al desarrollo de la situación en Venezuela con el objeto de adoptar las medidas adicionales que correspondan, de manera individual o colectiva, para favorecer el restablecimiento del estado de derecho y el orden democrático en ese país.

CAA/PR promove "Quinzena de Psicologia" em cinco cidades do estado


Ação que integra o programa Saúde em Foco da Caixa de Assistência do Paraná vai oferecer consulta de avalição e tratamentos subsidiados pela CAA/PR para advogados
Preocupada com a saúde mental dos advogados, a Caixa de Assistência do Paraná promove, de 28 de maio a 15 de junho, a “Quinzena de Psicologia” em cinco cidades do estado. Durante quinze dias úteis, serão oferecidas consulta de avaliação e sessões de tratamento subsidiadas pela entidade para advogados adimplentes com o pagamento da anuidade da OAB Paraná, nas cidades de Curitiba, Londrina, Maringá, Guaíra e Pato Branco.
A ação integra o programa Saúde em Foco da CAA/PR, idealizado pelo presidente da entidade. “O programa implantado no início desta gestão vem aumentando a quantidade de serviços e campanhas na área de saúde, para a manutenção do bem-estar e qualidade de vida dos advogados paranaenses e de seus familiares”, explica Artur Humberto Piancastelli.
“Temos convicção que essa ação inédita na área de psicologia beneficiará muitos advogados e será mais uma campanha de sucesso como temos registrado com as consultas médicas subsidiadas, o Médico de Família, as campanhas de saúde ocular e de vacinação contra a gripe e outras doenças e os projetos de incentivo à prática esportiva, como a Corrida Legal e o Vôlei Legal, executados Paraná afora”, completa o presidente da CAA/PR.
A diretora da CAA/PR, Iolanda Gomes, que coordena a “Quinzena de Psicologia”, explica que a iniciativa visa prevenir e combater transtornos emocionais e doenças, como estresse, ansiedade e depressão, entre outros. “Também tem objetivo de incentivar aqueles profissionais que precisam de ajuda a buscarem tratamento adequado e por um baixo custo que está sendo oferecido pela CAA/PR”, destaca a diretora Iolanda Gomes.
Mediante subsídio da CAA/PR, o valor será de R$ 30,00 para advogados, tanto para a consulta de avaliação quanto para cada sessão do tratamento, que terá duração de 40 minutos com profissional especializado. Os interessados devem efetuar agendamento prévio no período de 21 a 25 de maio. As vagas são limitadas.
AGENDAMENTO (de 21 a 25 de maio)
CURITIBA
Edifício Maringá (Rua Cândico Lopes, 146)
Fone: (41) 3513-2845
LONDRINA
Clínica Juliana Bordin - Edifício Comercial Jardim Sul (Rua João Wyclif, 111 Sala 505)
Fone: (43) 98821-8081
Jéssica Moreira Carvalho (Rua Paranaguá, 777)
Fone: (43) 99607-1351
Edna Soares de Almeida (Rua Paranaguá, 777)
Fone: (43) 99168-7367
MARINGÁ
Instituto de Medicina Integrada (Av. Brasil, 4493)
Fone: (44) 3309-89 12
(Agendamento sede da Subseção)
PATO BRANCO
Clitecc - Clinica de Terapia Cognitivo Comportamental (Rua Silvio Vidal, 175)
Fone: (46) 3223-1506
GUAÍRA
Clínica Dra. Gabriela Vieira (Rua Castro Alves, 465)
Fone: (44) 3642-8468

Camerata Antiqua faz concerto beneficente com o pianista Pablo Rossi

Em comemoração aos 60 anos da Associação Santa Rita de Cássia, a Camerata Antiqua de Curitiba se apresenta nesta terça-feira (22/5), às 20h, no Teatro Guaíra. O grupo é um dos convidados para o concerto com o pianista Pablo Rossi, e celebra o aniversário da Associação ao lado do Studio D, Ensamble Promenade, Olga Kiun, Giovana Coradin, Erickson de Oliveira, Estefan Iatcekiw e Grande Coral.
Com a regência de Mara Campos, a Camerata Antiqua terá uma apresentação de destaque na programação. Serão executadas composições de Heitor Villa-Lobos (1887-1959), como ‘Bachiana Brasileira’, ‘Trenzinho do Caipira’, ‘Melodia Sentimental’ e obras de compositores clássicos internacionais como Johann Sebastian Bach (1685-1750) e Georg Friedrich Händel (1685-1759).
Pablo Rossi
O pianista Pablo Rossi nasceu em Florianópolis, e foi o mais jovem a vencer o concurso Nelson Freire e o mais jovem solista a tocar a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp). Ele estudou no Conservatório Tchaikovski em Moscou durante seis anos, onde foi aluno de uma das professoras mais importantes da Rússia, Elisso Virsaladze.

Serviço: 60 anos da Associação Santa Rita de Cássia
Camerata Antiqua de Curitiba com pianista Pablo Rossi
Regência Mara Campos
Data: Terça-feira, 22 de maio 
Horário: 20h 
Local: Auditório Bento Munhoz da Rocha (Teatro Guairão)     
Endereço: Rua XV de Novembro, 971 - Centro, Curitiba - PR
Entrada Gratuita             

Greca vistoria revitalização de rua que liga o Pilarzinho ao Parque Tanguá 21/05/2018 16:52:00

O prefeito Rafael Greca e o vice-prefeito e secretário de Obras Públicas, Eduardo Pimentel, estiveram na tarde desta segunda-feira (21/5) na Rua Desembargador José Carlos Ribeiro Ribas, no cruzamento com a Eugênio Flor, no Pilarzinho. Lá, a Prefeitura de Curitiba está revitalizando o pavimento numa extensão de 1.520 metros, desde a Rua São Salvador até a Rodovia dos Minérios, no Taboão. O investimento é de R$ 1,1 milhão e os recursos são da Prefeitura.
"A Rua Desembargador José Carlos Ribeiro Ribas é ligação entre o Pilarzinho e o Parque Tanguá. São 1.500 metros de asfalto pro nosso Pilarzinho porque assim Curitiba vai pra frente", disse o prefeito, ao lado dos vereadores Julieta Reis e Mauro Ignácio, enquanto as equipes aplicavam a primeira capa asfáltica. A renovação da pista foi pedida pela comunidade à Administração Regional Boa Vista.